Menu

Notícias

14/09/2017

Diário Matinal Coinvalores - 14 de setembro de 2017

 

Bom dia,

1

IGP-10 acelera mais do que o previsto. A variação em setembro foi de 0,39%, bem acima da queda de 0,17% registrada na última leitura e dos 0,33% estimados pelo mercado. Esse resultado reflete principalmente o avanço nos preços ao produtor amplo, onde o grupo bens intermediários reverteu à deflação do mês anterior, sobretudo em razão dos preços de combustíveis. O grupo de matérias-primas brutas avançou dado o maior custo com bovinos e minério de ferro. O índice de preços ao consumidor não teve variação nesse mês, sendo que seis das oito classes de despesas apresentaram decréscimo em suas taxas.

IBC-Br de julho em alta. O índice do Bacen registrou alta de 0,41% frente ao mês anterior, na série dessazonalizada. Na comparação com o mesmo período de 2016 a elevação foi de 1,48%. Ambas as comparações ficaram acima da mediana das estimativas do mercado, dando indícios positivos sobre a recuperação econômica.
a

BoE mantém taxa de juros, mas dá sinais de retirada de estímulos. O comitê de política monetária do Banco da Inglaterra manteve a taxa de juros inalterada, assim como esperado, mas, também como esperado, deu sinais que os juros podem sair de 0,25% em breve. O comitê considera que a economia está se comportando um pouco melhor que o esperado, porém a inflação crescendo acima dos rendimentos dos salários preocupa. A aposta majoritária por lá é de alta dos juros em dezembro, mas o mercado já avalia que há 42% de chances de alta já em novembro. Além disso, o Banco pode mexer no seu programa de recompra de títulos. O impacto é a alta da libra e queda no FTSE.

Inflação segue no radar dos EUA. Após a inflação ao produtor ficar abaixo do esperado ontem, hoje a divulgação do índice de preços ao consumidor ganha ainda mais destaque. A expectativa ainda é de aceleração em agosto, seja na comparação mensal ou na anual. As atenções também devem se voltar aos indicadores do mercado de trabalho norte-americano, com o número de pedidos de auxílio desemprego da última semana e o índice de ganho médio por hora e semanal. Fora da agenda, os investidores devem seguir atentos aos próximos passos de Trump, que voltou a frisar a possibilidade de um expressivo corte nos impostos corporativos.

China apresenta dados de atividade abaixo do esperado. As vendas no varejo apresentaram crescimento de 10,1% no ano, até agosto, ante os 10,4% em julho e também ficando abaixo das projeções de mercado que apontavam para uma alta de 10,5%. A produção industrial também veio abaixo do reportado anteriormente e do esperado, ficando em 6% em agosto, refletindo a desaceleração na demanda doméstica, dado o menor crescimento das vendas no varejo e dos investimentos. Estes dados menores que o esperado podem ser indício de um cenário de menor crescimento do PIB.

Bolsas pressionadas. Dados abaixo do esperado na China, comentados acima, pressionaram as Bolsas asiáticas, que fecharam em queda nessa quinta-feira. Na Europa, o mercado repercute o comunicado do BoE tratando da proximidade da retirada de estímulos por lá, possivelmente com elevação dos juros ainda esse ano. Por aqui, muitos fatores devem mexer com a Bolsa, como a queda do minério lá fora, pressionando algumas empresas, mas como o IBC-BR acima do esperado e a sinalização do BC de que os juros devem mesmo cair 0,75 p.p. em outubro, trabalhando do lado oposto.
 

 

a
Dados saudáveis da Gol (GOLL4) em agosto. A cia aérea conseguiu melhorar a taxa de ocupação em seus voos na comparação com o mesmo mês do ano passado, apesar da pequena redução (0,4%) no total de passageiros transportados no mercado doméstico.  Isso porque, na média, os passageiros fizeram voos mais longos, o que também impacta a ocupação, já que ela é calculada pelo número de passageiros por quilômetro voado. Em voos internacionais, a taxa de ocupação ficou flat na comparação anual, com demanda e oferta crescendo 5,6%. Os dados de agosto revertem a tendência de retração na taxa de ocupação vista em julho.

JCP da Localiza (RENT3). A companhia distribuirá juros sobre o capital próprio no montante de R$ 41,0 milhões, aproximadamente R$ 0,18 bruto por ação e correspondente a um yield de 0,3%. Os acionistas posicionados ao fim do pregão de 22 de setembro terão direito aos proventos, as ações ficam ex-JCP a partir do próximo dia 25 e o pagamento será feito em 07/11/2017.

Contax (CTAX3) consegue aprovação de credores. Em meio às negociações para a reestruturação da sua dívida, a companhia conseguiu importante aprovação nas assembleias de debenturistas realizadas ontem, mediante a constituição de garantia compartilhada da dívida junto a um banco fiador. Essa decisão poderá dar um fôlego para os ativos CTAX3 que passam por forte pressão em bolsa. No entanto, ainda consideramos bastante complicado o momento atual da Contax e seguimos cautelosos ao recomendar o posicionamento aos investidores.

Decisão judicial favorece Anatel em ação contra a Oi (OIBR4). Na disputa para receber mais de R$ 11 bilhões em multas aplicadas contra a Oi e incluídas em seu processo de recuperação judicial, a Anatel obteve liminar favorável da justiça recentemente. Mesmo com a Oi informando que ainda não recebeu essa decisão judicial, a própria empresa já manifestou que "quando for notificada da liminar, a companhia deverá recorrer, considerando que todas as manifestações da Justiça até este momento foram no sentido da permanência das multas da Anatel dentro do processo de recuperação judicial". Estamos acompanhando de perto a situação da Oi, mas acreditamos que a tendência de alta volatilidade em seus papéis permanecerá em virtude das inúmeras incerteza s que cercam a companhia.

Ser Educacional (SEER3) também avalia a compra do grupo FSG. Além das negociações em torno da Uniasselvi que temos destacado diariamente, o grupo de ensino estaria interessado também em outra aquisição, segundo o jornal Valor Econômico. Trata-se do grupo FSG, da gestora de recursos Advent, que reúne cerca de 12,5 mil alunos entre o Centro Universitário da Serra Gaúcha e a Faculdade Cesuca, ambas no Rio Grande do Sul. A instituição atua tanto no ensino superior presencial quanto no a distância e, de acordo com a reportagem, seus controladores receberão as propostas dos interessados a partir da semana que vem. O noticiário ao redor da Ser tem sido intenso nos últimos dias, sobretudo diante das possibilidades de consolidação de mercado que voltaram ao radar da empresa, o que reforça nossa recomenda&cc edil;ão de compra para os ativos SEER3.
 

AGENDA DE DIVIDENDOS
 

Bons negócios.


« Voltar