Menu

Notícias

18/09/2017

Diário Matinal Coinvalores - 18 de setembro de 2017

 

Bom dia,

1

IGP-M avança na segunda prévia de setembro. O índice registrou variação de 0,41% na segunda prévia do mês, quando na última divulgação, o número havia ficado em 0,03%. O grande propulsor desta subida foi o índice de preços ao produtor amplo que apresentou variação de 0,63%, ante a taxa negativa de 0,14% na última divulgação, com a maior contribuição vinda do subgrupo combustíveis para o consumo, cuja taxa passou de -0,42% para 5,59%. Já o Índice de Preços ao Consumidor e o Índice Nacional de Custo da Construção apresentaram menor variação, ficando em -0,10% e 0,22%, respectivamente.

IPC-S recua na segunda semana de setembro. O índice de preços ao consumidor apresentou variação de -0,01% na segunda semana de setembro contra 0,10% na última apuração. Cinco das oito classes de despesa apresentaram decréscimo com a maior contribuição vinda do grupo transportes que saiu de 1,19% para 0,74% e também registraram decréscimo em suas taxas de variação os grupos: habitação (0,04% para -0,14%), alimentação (-0,76% para -0,87%), saúde e cuidados pessoais (0,30% para 0,25%) e despesas diversas (0,08% para 0,03%).

Boletim Focus novamente traz redução para Selic e inflação. O Boletim Focus não mostrou alteração na projeção para a taxa básica de juros em 2017, entretanto, para 2018, a taxa foi revisada para baixo ficando em 7,00% a.a, ante a previsão de 7,25%. Esta redução na estimativa da taxa Selic vem de encontro com as recorrentes quedas da inflação projetada, que nesta semana novamente se reduziu, saindo de 3,14% para 3,08% no final de 2017. E para 2018 a projeção também foi baixista, em 4,12% para o IPCA, ficando nos dois casos abaixo da meta do governo.
a

Em semana de FOMC, agenda começa fraca nos EUA. Não há indicadores econômicos relevantes esperados para hoje, apenas os dados do Tesouro americano sobre o fluxo de investimentos em treasuries. O mercado deve permanecer em compasso de espera até a reunião do comitê de política monetária do Fed, na quarta. Expectativa é que o FOMC mantenha a taxa de juros inalterada, mas dê uma sinalização sobre o comportamento da taxa nas reuniões restantes do ano. Além disso, mercado aguarda se o comitê vai anunciar o início da redução do balanço do banco central americano.

Inflação na Zona do Euro veio dentro das expectativas. Agora cedo foi divulgado o CPI referente ao mês de ago/17 que avançou 0,3% em relação à jul/17 e 1,5% na comparação anual, exatamente em cima da mediana das projeções de mercado. A aceleração dos preços de combustíveis, de transportes e de serviços levou ao avanço mais forte da inflação na comparação com os dados registrados em jul/17. De toda forma, o indicador em linha com o esperado não deverá influenciar tanto o rumo do mercado bursátil hoje.
   
Semana começando positiva para as bolsas mundiais. Em meio às atenuações dos riscos com a Coreia do Norte, os principais índices de ações do globo voltam ao campo positivo. Na Ásia, os mercados acionários da China avançaram nesta segunda-feira, impulsionados por dados de empréstimos mais fortes do que o esperado. Vale destacar que em Tóquio não houve negócios hoje devido ao feriado nacional. Já na Europa, os índices oscilam no campo positivo, mas com altas inferiores a 1% diante da inflação dentro das expectativas, como comentamos acima. E no mercado de commodities a sessão é praticamente de estabilidade nos preços.
 

 

a
BR Properties (BRPR3) anuncia compra de galpão. O ativo em questão faz parte de um condomínio logístico e industrial em Atibaia, onde a companhia já havia feito uma aquisição em julho. A nova aquisição adiciona 14,4 mil m² ao portfólio da companhia. O valor do m² foi cerca de 3% superior ao da compra de julho. O empreendimento está em linha com a estratégia anunciada no segmento, de focar em ativos novos (o condomínio está em construção) no eixo Rio-SP. Essa nova operação deve ter impacto apenas marginal nos papéis da companhia no pregão de hoje.

Controlador da Ser Educacional (SEER3) reduz sua participação. Conforme comunicado no início da semana passada, o fundador e acionista majoritário da companhia, José Janguiê Diniz, alienou cerca de 13,9 milhões de ações ao longo da semana, reduzindo sua participação de 70% para 59,2% do capital social, aproximadamente. A intenção é dar mais liquidez aos papéis SEER3 em bolsa e não se desfazer do controle da companhia, segundo o presidente da empresa. Após essa pressão vendedora e com mais ações em circulação no mercado, acreditamos que os ativos SEER3 podem se recuperar dessa queda recente.
   
Retomada das ofertas de ações favorece resultados da B3 (BVMF3). Neste ano, as ofertas de ações já movimentaram R$ 24,6 bilhões, montante anual superior ao registrado nos últimos seis anos e que certamente deverá aumentar, pelo menos R$ 10 bilhões, diante das novas ofertas em curso. Entre IPOs e follow-ons, temos previsto em andamento as ofertas públicas da Azul, Camil, Eneva, Magazine Luiza, Neoenergia, Tivit e Vulcabrás. Essas transações tendem a influir positivamente no balanço do terceiro trimestre desse ano da B3, bem como elevar o volume negociado na Bovespa que também contribui para a geração de receita da companhia.

Eternit (ETER3) informa a abertura de novas ações contra ela. A companhia foi citada em duas novas ações civis públicas, uma no estado da Bahia e outra no Rio de Janeiro. Os dois casos trata das condições do uso do amianto e a sua comercialização, além do pagamento de multas indenizatórias. Na Bahia, o processo é para a substituição do amianto no prazo de 10 dias e pagamento por dano moral coletivo no valor de R$ 225 milhões. Já no Rio de Janeiro, entre os estados mais relevantes, a ação pede a proibição da fabricação e comercialização dos produtos com composição do amianto e o pagamento de indenização a título de danos morais coletivos no valor de R$ 1 milhão. A companhia informou que irá recorrer dos processos e que vem gradativamente preparando suas unidades para a substituição da produção de telhas de fibrocimento sem o uso do amianto. Ainda assim, a notícia é negativa para a companhia, desta forma, acreditamos que suas ações irão performar negativamente no pregão de hoje.
 

AGENDA DE DIVIDENDOS
 

Bons negócios.


« Voltar