Menu

Notícias

04/10/2017

Diário Matinal Coinvalores - 4 de outubro de 2017

 

Bom dia,

1IPC da Fipe apresenta nova elevação em setembro. O índice de preços ao consumidor apresentou elevação de 0,02% em setembro, depois de ter apresentado variação de 0,10% no mês de agosto. O indicador ficou dentro das previsões de mercado. No acumulado do ano o índice está em 1,09% e no período de 12 meses em 2,25%. A desaceleração no fechamento de setembro se deve aos grupos habitação, transportes, saúde e vestuários que tiveram variação menor no comparativo mensal.

Agenda no Brasil ainda reserva outros indicadores. Depois do IPC-Fipe, os próximos indicadores são os PMIs de serviços e composto do HSBC às 10h e, às 12h30, será divulgado o fluxo cambial semanal. Na parte política, ontem, na Câmara dos Deputados, foi aprovada a medida provisória que cria um novo Refis, sendo enviada para o Senado. Por falar em Senado, a votação sobre o afastamento e recolhimento domiciliar de Aécio Neves foi adiada para a próxima semana.

a

Agenda carregada nos EUA, com destaque para Yellen. A chair do Fed discursa no final da tarde em um evento do banco central americano. Até lá, muitos indicadores, começando pelos dados de emprego no setor privado, divulgados pela processadora de folhas de pagamento ADP, que mostrou uma desaceleração além do esperado na criação de vagas, fechando setembro em 135 mil. Pouco mais tarde, a Markit e o ISM divulgam indicadores de atividade no setor de serviços. Por fim, outro dado relevante esperado para hoje, como toda quarta, é o estoque de petróleo bruto, que certamente afetará a cotação da commodity no mercado internacional e, consequentemente, o preço da gasolina na bomba por aqui também, haja vista a atual política de preços da Petro.

PMI da Zona do Euro cresce em setembro, com Alemanha em destaque. O PMI Composto ficou em 56,7 pontos, o maior nível dos últimos quatro meses, além de superar em 1,0 ponto os dados de agosto. Já o PMI do setor de serviços atingiu 55,8 pontos, bem acima dos 54,7 reportados na última leitura. O crescimento na entrada de pedidos foi um dos propulsores desse desempenho, que traz boas perspectivas para o quatro trimestre. Em termos regionais, o destaque ficou com a Alemanha, onde a maior demanda aliada a recuperação da confiança dos empresários impulsionou o PMI Composto, que saiu dos 55,8 pontos registrados em agosto para 57,7 agora.

Já as vendas no varejo recuam no bloco europeu. Em contrapartida aos PMIs positivos, o índice de vendas no varejo recuou 0,5% em agosto, frente ao mês anterior. Na comparação anual, houve crescimento de 1,2%, porém em ambos os casos o índice frustrou as expectativas. Essa piora reflete, principalmente, a menor demanda por combustíveis, bem como o recuo das vendas em Portugal, Áustria e Bélgica.

No Reino Unido, PMI também avança, mas em ritmo moderado. O PMI de serviços atingiu 53,6 pontos em setembro, ligeiramente acima dos 53,2 registrados em agosto, sobretudo por conta das condições saudáveis do mercado de trabalho e demanda resiliente. Todavia, o aumento das incertezas com relação ao Brexit tem afetado o ímpeto para realização de investimentos, tanto que o PMI desacelerou no terceiro trimestre, frente ao segundo, saindo da média de 54,3 para 53,5 pontos.

Bolsas de lado lá fora. Após mais uma sessão de alta, ontem, os mercados perderam um pouco de força nessa quarta, que apresenta variações bem tímidas nas principais Bolsas. A agenda americana, bem carregada, deve ditar o ritmo daqui pra frente, se as Bolsas buscam novos recordes ou se ensaiam uma realização. Os primeiros dados não foram animadores, com criação de vagas no setor privado abaixo do esperado. Vale o destaque negativo novamente para a Bolsa de Madrid, com o iminente pedido de independência da Catalunha.
 

 

a
Ecorodovias (ECOR3) é favorita para levar estrada entre MG e GO. Segundo o Estadão, a companhia fechou um contrato de exclusividade com os atuais acionistas da MGO Rodovias, empresa que administra a BR-050 entre Minas e Goiás. Um ponto é que a rodovia estava sendo estudada por uma série de players nacionais e estrangeiros, o que pode pressionar os papéis da Ecorodovias no curto prazo, na expectativa de um preço elevado pago pelo ativo. Vale lembrar que a notícia ainda está no campo da especulação, pois as companhias ainda não divulgaram qualquer fato relevante nesse sentido. A aquisição seria bem relevante, considerando que hoje a Ecorodovias tem 1.792 km de rodovias sob sua administração e o trecho administrado pela MGO tem 436,6 km. Apesar de vermos alguma pressão no curto prazo por conta da expectativa de uma possível aquisição bem concorrida, vemos com bons olhos a expansão do portfólio da companhia, pensando no longo prazo.

Kroton (KROT3) mira de vez o ensino básico. A companhia fez um update das suas estratégias de crescimento para os próximos anos, dando grande destaque ao mercado de ensino básico e as oportunidades de aquisições. Nesse sentido, o jornal Valor Econômico de hoje traz reportagem informando que a companhia deverá comprar um colégio ainda neste ano, mas não há mais detalhes além disto. De fato, em sua apresentação institucional, o pipeline da educação básica foi demonstrado com o mapeamento de 16 ativos alvos, sendo que com três deles as negociações já estão em fases avançadas. Em nossa visão, após a rejeição da fusão com a Estácio pelo CADE, consequentemente o foco das novas aquisições da Kroton iria se deslocar do ensino superior para outros segmentos onde há maior fragmentação de mercado. Vemos de maneira positiva as iniciativas da companhia e acreditamos que essa atualização de suas estratégias poderá deixar os investidores de KROT3 otimistas no curto prazo em bolsa.

Outra que também fez um update foi a Anima (ANIM3). Um pouco diferente da Kroton, as principais iniciativas da companhia estão sob o ganho de rentabilidade de suas operações e o seu crescimento orgânico. Estratégias como a redução de quatro unidades em Belo Horizonte, otimização de todo o portfólio e diminuição nas despesas operacionais estão em execução e devem impactar positivamente seus resultados. Enquanto que para os próximos anos, a Anima já planeja a expansão de seus atuais ativos, em especial a marca universitária São Judas na cidade de São Paulo, bem como monitora oportunidades de aquisições regionais. Em menor escala em relação à Kroton, a apresentação da Anima também deverá influenciar positivamente seus papéis.

Petrobras (PETR4) avança na venda do Campo de Maromba. A companhia anunciou o começo da fase vinculante referente a alienação de sua participação societária (70%)  no Campo de Maromba, na Bacia de Campos. Logo, serão emitidas cartas-convites para os interessados e habilitados na fase anterior, incluindo orientação para a realização de due diligence e envio de propostas vinculantes, conforme a sistemática imposta pelo TCU. Entretanto, a novidade não deve ter influência expressiva sobre os papéis PETR4 hoje.

Decisão do STJ dá pequeno alívio para a Oi (OIBR4). Ontem, a presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministra Laurita Vaz, negou o recurso apresentado pela Anatel que busca segregar as dívidas da operadora com a agência de seu processo de recuperação judicial. Entretanto, o presidente da autarquia, Juarez Quadros, já informou que a Anatel vai recorrer, novamente, da decisão judicial contrária. Cabe lembrar que a Oi deve cerca de R$ 11 bilhões em multas administrativas para a Anatel, o que torna o órgão regulador o maior "credor" individual da operadora dentro do plano de recuperação judicial. De todo modo, a decisão do STJ tende a dar um leve alívio para os ativos OIBR4, pois o relevante montante a ser pago pela companhia seria tratado no âmbito do plano, com prazos e condições mais favoráveis à Oi.
 

AGENDA DE DIVIDENDOS
 

Bons negócios.


« Voltar