Menu

Notícias

20/10/2017

Diário Matinal Coinvalores - 20 de outubro de 2017

 

Bom dia,

1IGP-M desacelera. O índice registrou alta de 0,30% em outubro, arrefecendo frente aos 0,41% da última leitura. Esse resultado reflete principalmente a menor variação nos preços ao produtor, puxada pelos subgrupos matérias primas brutas e produtos industriais. O Índice Nacional de Custo da Construção também desacelerou no período, enquanto que os preços ao consumidor avançaram, com alta em cinco das oito classes de despesas, puxado, principalmente, pelo item alimentação.

Combustíveis pressionam IPCA-15. O preço do botijão de gás saltou 5,72% e o dos combustíveis veiculares 1,29% nessa primeira leitura de outubro, o que levou o IPCA-15 a uma alta de 0,34%, vindo de 0,11% em setembro. Por outro lado, os preços dos alimentos mantiveram tendência negativa. O acumulado de 12 meses está em 2,71%, bem abaixo do centro da meta e da projeção do mercado para o IPCA em 2017.

a

Agenda amena nos EUA. Em termos econômicos teremos poucas novidades nesta sexta-feira, pois só será divulgado o volume de venda de moradias usadas em outubro, que não deve exercer influência relevante sobre os mercados bursáteis. O destaque da agenda fica com o discurso de Janet Yellen, porém a fala deve ocorrer no finalzinho do dia, com as Bolsas já fechadas, não trazendo tanto impacto para o pregão de hoje. Logo, o índice norte-americano deve repercutir a aprovação do orçamento fiscal pelo Senado, que facilita a implantação das reduções tributárias anunciadas por Trump, bem como as especulações em torno do futuro comandante do Fed.

Bolsas no azul. As perspectivas favoráveis para a reforma fiscal de Trump, comentadas acima, garantem o bom humor dos mercados na sessão de hoje. O euro ainda pressionado com a turbulência espanhola causada pelo referendo na Catalunha também acaba ajudando as Bolsas do bloco a sustentar uma leve alta nessa sexta-feira. Na Ásia, mercados ainda de olho no congresso do partido comunista e na eleição japonesa.
 

 

a
Faturamento da Randon (RAPT4) em alta. A receita líquida da companhia em setembro ficou em R$ 253,6 milhões, o que corresponde a uma alta de quase 45% em doze meses. No acumulado do ano, o faturamento consolidado da Randon registra elevação de 4,1%. Já no terceiro trimestre, ao crescimento é de 35,6% frente ao 3T16, o que corrobora boas perspectivas quanto ao seu resultado financeiro, que será divulgado no dia 09/11. Seus papéis devem responder de forma positiva a tal divulgação.

Ser Educacional (SEER3) conclui oferta privada de ações. O grupo de ensino comunicou que foi encerrado o aumento de capital social mediante subscrição privada de ações, isto é, onde os acionistas da companhia exerceram o direito de preferência nas novas ações emitidas ao preço de R$ 28,80. O interesse dos investidores foi bastante alto, uma vez que foram subscritas 98,4%, aproximadamente, da quantidade máxima de ações emitidas nesta oferta privada. Desse modo, a Ser conta agora com a entrada de cerca de R$ 400,0 milhões que serão destinados ao financiamento da expansão dos seus negócios, seja via aquisições ou crescimento orgânico que engloba a expansão dos polos de ensino à distância e investimentos em novas unidades presenciais. Com o fim bem sucedido da oferta, acreditamos que as ações SEER3 reagiram positivamente no curto prazo em bolsa.

Rumo (RAIL3) atualiza o guidance. A operadora logística revisou suas projeções de longo prazo para o volume transportado, a geração de caixa esperada (medida pelo EBITDA) e os investimentos previstos nos anos de 2017 a 2020. No volume transportado, a expectativa é de crescimento médio anual de 11% até 2020, de 51 bilhões de TKU (tonelada transportada por quilômetro útil) a 53 TKU ao final deste ano para 69 TKU a 71 TKU em 2020. A perspectiva para o EBITDA é de crescimento médio anual de 19% até 2020, de R$ 2,6 bilhões a R$ 2,8 bilhões em 2017 para R$ 4,4 bilhões a R$ 4,6 bilhões em 2020. O guidance de investimento deve cair de uma faixa de R$ 2 bilhões a R$ 2,2 bilhões em 2017 para R$ 1 bilhão a R$ 1,3 bilhão em 2020. Contudo, lembramos que estes planos estão condicionados à renovação antecipada das concessões ferroviárias que vencem entre 2026 e 2029, sendo esse ainda um fator de risco para a companhia. Ainda assim, entendemos que a previsão da Rumo de entregar maior geração de caixa e ter menor necessidade de capex nos próximos anos deverá deixar as ações RAIL3 no campo positivo no pregão de hoje.
 

AGENDA DE DIVIDENDOS
 

Bons negócios.


« Voltar