Menu

Notícias

07/03/2018

Diário Matinal Coinvalores - 7 de março de 2018

 

Bom dia,

IGP- DI desacelera. Em fevereiro, o índice registrou variação de 0,15%, denotando significativo arrefecimento frente aos 0,58% da última leitura. Houve queda tanto nos preços ao produtor quanto ao consumidor, puxados pela deflação em combustíveis e no grupo alimentação, respectivamente. Todavia, a desaceleração foi menor do que a esperada pelo mercado, o que tende a limitar as apostas, já minoritárias, de que o ciclo de corte de juros poderia perdurar por mais reuniões, levando a Selic para baixo dos 6,5%.

a

Dia agitado nos EUA. Ao contrário do que vimos ontem, a agenda norte-americana dessa quarta-feira conta com a divulgação de diversos indicadores, com destaque para dados do mercado de trabalho no 4° trimestre e para o Livro Bege. Será divulgada também a balança comercial, que tende a apresentar ligeira redução no déficit, e o volume de crédito ao consumidor, ambos referentes a janeiro. Além disso, novamente os discursos de representantes do Fed, que têm direito a voto esse ano, ficam no radar, bem como a postura de Trump, após uns de seus principais conselheiros econômicos, Gary Cohn, renunciar.

PIB avança na Zona do Euro. No 4° trimestre do último ano, o PIB da zona do euro cresceu 0,6% em comparação com o trimestre anterior, na série dessazonalizada, puxado pelas exportações e por investimentos. Houve crescimento em todos os países do bloco, com destaque para Estônia e Eslovênia, enquanto que na ponta contrária, ficou a Grécia. Na comparação com o mesmo período de 2016 a alta foi de 2,7%.

Bolsas voltam a ficar no vermelho. As Bolsas europeias e asiáticas operam, ou já fecharam, em baixa nesta manhã, após a renúncia de Gary Cohn, que se opunha as políticas protecionistas de Trump, elevar as tensões quanto a possibilidade de uma guerra comercial. Diante da maior aversão global ao risco, o mercado bursátil também deve ficar pressionado por aqui.
 

  

aResultado saudável da Gol (GOLL4), dentro do esperado. A cia aérea continuou a mostrar evolução nos seus números trimestrais, com destaque para o bom crescimento no top line aliado a um bom controle de custos. Mesmo com a forte elevação nos preços dos combustíveis, principal linha de custos da Gol, a companhia conseguiu entregar elevação menor nos custos do que na receita, resultando em melhora de margens. A Gol continua diminuindo sua alavancagem e reforçando sua posição de caixa. Junto do resultado, a cia divulgou suas projeções para os anos de 2018 e 2019 com os números seguindo uma trajetória positiva, mas sem grandes saltos. Destaque aqui para a projeção de margem operacional em torno de 11% em 2018 e de 13% em 2019, contra 9,4% em 2017 e 7,1% em 2016. Consideramos que os números deverão ser bem recebidos pelo mercado.

CSU (CARD3) propõe dividendo. A companhia vai divulgar os resultados do 4T17 hoje, após o fechamento do mercado, que devem mostrar números saudáveis, com a continuidade da boa evolução na divisão Cardsystem. Mas, ontem, o conselho de administração da companhia já propôs os dividendos relativos ao ano passado em pouco mais de R$ 18 milhões, sendo que R$ 13,7 milhões já foram pagos. Dessa forma, sobraria R$ 4,298 milhões em dividendos, pouco mais de R$ 0,10 por ação, yield de 1% em relação ao atual patamar de seus papéis.

Smiles (SMLS3) divulga guidance para 2018. A companhia espera que o faturamento bruto, que é diferente da receita, cresça entre 12% e 18%. Faturamento bruto é o valor dos pontos acumulados pelos clientes da Smiles, que virará receita apenas quando esses clientes resgatarem os pontos. Já para a receita líquida, a projeção é de crescimento entre 10% e 16%. A companhia estima que sua margem direta de resgates, que considera apenas as receitas e custos referentes a resgates, fique entre 37% e 43%, sendo que no ano passado ficou bem no centro dessa faixa. Consideramos que o guidance aponta para mais um ano bem forte para a Smiles, que segue como nossa top pick no setor.

Acordo entre Eletrobras (ELET6) e Eletropaulo (ELPL4) no radar. Segundo matéria do Valor Econômico, as empresas entraram num acordo para encerrar uma disputa judicial que se arrasta por quase trinta anos e poderia chegar a R$ 2,8 bilhões. O montante acordado, segundo a notícia, é de R$ 1,5 bilhão, sendo cerca de R$ 300 milhões à vista e o restante parcelado em seis anos. A notícia, ainda que não confirmada pelas empresas, é positiva principalmente para Eletropaulo, pois, se concretizado, o acordo minimiza as incertezas e o risco relacionado ao processo e seus possíveis impactos financeiros, tirando um peso relevante sobre os papéis da companhia. Vislumbramos que as ações ELPL4 devem responder de forma positiva, enquanto que a ELET6 deve ficar mais volátil e pressionada, após a análise, em comissão especial, do projeto de lei que visa sua privatização, que deveria ocorrer ontem, ser adiada.

TIM (TIMP3) apresenta plano estratégico de 2018-2020. O guidance para este ano prevê crescimento na receita de serviços entre 5% e 7% e no EBITDA de 10%, no mínimo. Já para o horizonte de três anos, as metas são de R$ 12 bilhões em investimentos nas operações e de atingir margem EBITDA igual ou superior a 40% em 2020. Embora seu guidance pouco se altere em relação ao apresentado ano passado, entendemos que a divulgação poderá movimentar positivamente as ações TIMP3 no curto prazo em bolsa.

Arezzo (ARZZ3) reporta resultado do 4T17. A companhia reportou crescimento de 7,3% em seu faturamento no 4T17 sobre o 4T16, com destaque para o crescimento dos canais web, lojas multimarcas e franquias. No entanto, as vendas mesmas lojas tanto de sell-in (franquias) quanto de sell-on (inclui lojas próprias + web + franquias) apresentaram crescimento bem menor no período em análise na comparação com o 4T16. O EBITDA cresceu apenas 1% no 4T17, com queda de 0,9 p.p. na margem EBITDA, refletindo a elevação nas despesas operacionais. Já o lucro líquido finalizou o período em R$ 55,3 milhões sendo 54,5% maior quando comparamos com o 4T16. Este forte crescimento do lucro, no entanto, reflete a isenção do pagamento de alguns impostos no período corrente e a reversão de impostos já recolhidos durante o ano de 2017, no valor de R$ 21,9 milhões que acabaram voltando ao lucro neste 4T17. Neste contexto, acreditamos que suas ações devem reagir negativamente pelo resultado abaixo das expectativas.

Localiza (RENT3) divulga balanço hoje. A companhia de locação de veículos deve reportar mais um bom resultado com as estimativas de mercado apontando para um crescimento acima de 20% tanto para a receita líquida quanto para o EBITDA e de 40% no lucro líquido, todos na comparação com o 4º Trim/16. Acreditamos que suas ações poderão ficar no campo positivo diante das boas previsões.

B2W (BTOW3) divulga resultado do 4T17. A companhia irá reportar seu desempenho no final do dia de hoje. Mesmo acreditando que o seu desempenho tende a melhorar, com a rápida trajetória de crescimento do marketplace, seus concorrentes já estão com plataformas mais consolidadas. Desta forma, consideramos que seus números devem vir melhores neste 4T17, no entanto, com uma recuperação ainda lenta. Além disso, a companhia continua com um nível de alavancagem bem alta, na última divulgação de resultado (3T17) sua dívida líquida/EBITDA estava em 3,0x ante os 3,1x no 2T17.

Lojas Americanas (LAME4) reportará hoje seu resultado do 4T17. Para o 4T17, são esperados números melhores por conta das datas comemorativas, como o Natal, com expectativa de ganhos maiores comparados ao ano de 2016, além das vendas da Black Friday que está sendo considerado o período de maiores vendas, superando até as vendas de Natal. Desta forma, esperamos números melhores para a companhia neste 4T17.

Publicamos o relatório de análise especial da B3 (BVMF3). A companhia realizou sua reunião pública anual, onde destacou o desempenho de cada unidade de negócio e sua situação financeira atual, além das estratégias que estão sendo executadas pela administração da empresa. Neste trabalho foram abordados os principais detalhes do evento e nossa visão sobre os ativos BVMF3, confira clicando aqui.
 
AGENDA DE DIVIDENDOS
 
  
 
AGENDA DE RESULTADOS

Bons negócios

 
 


« Voltar