Menu

Notícias

14/12/2018

Diário Matinal Coinvalores - 14 de dezembro de 2018

Bom dia,

Inflação arrefece, mas atividade segue estagnada. O IGP-10 apresentou deflação de 1,23% em dezembro, surpreendendo as estimativas, após recuar 0,16% na última leitura. O preço dos combustíveis continuou sendo fundamental para esse desempenho, que também foi favorecido pela queda no preço de bens de agrícolas e eletricidade. Por outro lado, o setor de serviços não trouxe boas novas, ao crescer apenas 0,1% em outubro frente a setembro. Na comparação com o mesmo período do ano anterior, houve uma alta modesta, de 1,5%.

Atividade perde fôlego na Europa. Os PMIs divulgados nesta manhã mostram que a economia segue perdendo tração. A prévia de dezembro do índice composto ficou no menor patamar em quase quatro anos, na zona do euro e também na Alemanha. O setor de serviços foi o que mostrou maior arrefecimento nesta leitura, com a menor pressão de custos sendo sobreposta pelo fraco fluxo de novos negócios e criação de empregos. Na indústria houve ligeira melhora, apesar da queda na entrada de pedidos de exportação.

Sexta complicada lá fora. Os indicadores mais fracos que o esperado na China voltam a elevar o nível de apreensão do mercado quanto a uma desaceleração mais forte da atividade na segunda economia do mundo. A produção industrial chinesa cresceu 5,4% em novembro, menor ritmo de crescimento em quase três anos, enquanto as vendas no varejo, com alta de 8,1%, teve seu menor crescimento desde 2003. Os dois índices vieram bem aquém do esperado, como comentamos anteriormente. Outro fator de pressão para os mercados é a posição dura da UE contrária a uma possível reabertura das negociações no tocante ao Brexit, o que aumenta as chances de uma ruptura sem acordo. Nem as notícias de um clima mais “ameno” nas negociações comerciais entre EUA e China conseguem compensar os fatores negativos e o dia é de Bolsas no vermelho mundo afora, incluindo os futuros de Nova York.


 


Aumento da capital da Unidas (LCAM3). A companhia anunciou que o preço das ações no aumento de capital foi de R$ 32,00, abaixo do fechamento de ontem, mas acima do patamar pré-anúncio da oferta. Com isso, a Unidas vai captar R$ 992 milhões para investir em sua operação.

Volumes da B3 (B3SA3) em novembro. Como esperado, os volumes nos diversos segmentos da Bolsa mostraram uma redução considerável na comparação com o mês de outubro, quando as eleições trouxeram uma volatilidade muito elevada para o mercado, mas na comparação com novembro do ano passado, os volumes mostraram um bom aumento, especialmente no segmento Bovespa.

Ultrapar (UGPA3) anuncia plano de investimentos. A companhia irá investir R$ 1,8 bilhão em 2019, sendo que a maior parte (R$ 824 milhões) será destinada à Ipiranga. Além da expansão na rede de postos e franquias de conveniência, a companhia também vai destinar recursos à construção e ampliação de bases de operação, alem da manutenção e modernização de suas atividades. Na Oxiteno e na Ultragaz serão investidos cerca de R$ 319 milhões e R$ 279 milhões, respectivamente, ambos com foco em aspectos como atualização tecnológica e manutenção das unidades produtivas, que visam ganhos de eficiência e produtividade. Ao todo, o CAPEX aprovado para o próximo ano é quase 35% menor ao aprovado para esse ano. De toda forma, a novidade não deve trazer influência relevante para suas ações hoje.
   
Copasa (CSMG3) investirá mais em segurança hídrica. A companhia anunciou seu plano de negócios e estratégia de longo prazo, de 2019 a 2023, onde destacou a necessidade a priorização dos recursos para projetos de segurança hídrica. Alternativas de sistemas integrados e projetos de novas fontes de produção de água já vêm sendo analisadas. Soma-se a isso a necessidade de expansão na capacidade de atendimento de água e esgoto e de redução das perdas, e o CAPEX será de cerca de R$ 750 milhões em 2019, subindo para R$ 800 milhões no ano seguinte e permanecendo até 2023. Esse ano, a previsão inicial era de um investimento de R$ 650 milhões, que foi revisado para até R$ 700 milhões no último semestre. Contudo, esse aumento não traz grandes preocupações, tendo em vista que sua situação financeira segue saudável.

Duratex (DTEX3) distribuirá proventos. A companhia anunciou que irá distribuir JCP no valor líquido de R$ 0,3530 e dividendos no valor de R$ 0,3771 por ação para os acionistas que tiverem posicionados ao final do dia 18 de dezembro. O yield desta operação é de 6,1%.

Bom dividendo da Cyrela (CYRE3). A companhia anunciou o pagamento de R$ 0,5987 por ação para os acionistas posicionados ao final do pregão do dia 18 de dezembro, ficando ex na quarta-feira, dia 19. Pagamento será no dia 27 de dezembro e o yield é de 3,9% em relação ao fechamento de ontem.
 

Bons negócios!

 


« Voltar