Menu

Notícias

17/12/2018

Diário Matinal Coinvalores - 17 de dezembro de 2018

Bom dia,

IBC-Br apresenta melhora em outubro. O IBC-Br veio 0,02% maior em outubro, em relação a setembro, ficando acima das expectativas, que apontavam para mais uma contração. Na comparação anual, o índice teve alta de 2,99% e no acumulado de 12 meses o crescimento é de 1,54%. Já o IPC-S desacelerou na segunda quadrissemana de dezembro, para -0,04%, tendo o grupo habitação como principal propulsor desse resultado. No Boletim Focus, depois de consecutivas quedas da inflação, as projeções para o IPCA se estabilizaram, permanecendo em 3,71% e 4,07% para esse e o próximo ano, respectivamente. Para o PIB a projeção desse ano ficou estável, mas em 2019 a mediana das estimativas mostrou uma leve alta, ficando em 2,55% frente aos 2,53% da última leitura.

CPI da zona do euro desacelera em novembro. O índice de preços ao consumidor da zona do euro subiu 1,9% na comparação anual de novembro, vindo menor se comparado a outubro e abaixo das estimativas de mercado. O núcleo do CPI do bloco, que exclui os preços de energia e de alimentos, recuou 0,3% em novembro ante o mês anterior, mas registrou acréscimo de 1% na comparação anual. Além disso, a balança comercial da zona euro recuou em outubro para 14 bilhões de euros, contra 17,8 bilhões de euros registrados há um ano.

Bolsas sem direção definida lá fora. As Bolsas asiáticas fecharam com leves ganhos nesta manhã, enquanto as europeias oscilam sem uma direção clara, entre leves perdas e ganhos, diante da falta de novidades relevantes em âmbito comercial e econômico e com os investidores à espera de novas sinalizações quanto à condução da política monetária em 2019, sobretudo por parte do Fed, nos EUA.  O Banco Central da Inglaterra e do Japão também ficam no radar ao longo dessa semana. Hoje a agenda conta apenas com índice de atividade industrial de Nova York e a confiança do construtor norte-americano em dezembro.


       
 


CSN (CSNA3) projeta crescimento para 2019. A siderúrgica estima que o EBITDA do próximo ano chegue a cerca de R$ 7 bilhões, crescimento de quase 30% frente ao projetado para esse ano, de R$ 5,5 bilhões. O aumento da produção de minério de ferro, como anunciado na semana passada, e a paulatina demanda por aço no mercado doméstico estão entre os fatores que justificam tal projeção. Suas ações devem responder de forma marginalmente positiva à novidade.

Leilão de distribuidora da Eletrobras (ELET6) é adiado. O leilão da Companhia Energética de Alagoas - CEAL, que estava previsto para essa quarta-feira (19/12), foi remarcado pelo BNDES para o dia 28 de dezembro. A entrega de documentos e propostas agora pode ser feita até o dia 27 às 12h. Cabe lembrar que essa é a última das seis distribuidoras que foram colocadas à venda. A novidade deve trazer influência marginalmente negativa para os papéis ELET6 hoje.


 

Bons negócios!

 


« Voltar