Menu

Notícias

19/02/2019

Diário Matinal Coinvalores - 19 de fevereiro de 2019

Bom dia,

Articulação política em destaque. O mercado segue atento aos possíveis desdobramentos da exoneração de Gustavo Bebianno, da Secretaria de Governo, sobretudo no que diz respeito ao apoio da base aliada às reformas. Portanto, a votação do projeto de securitização de dívida dos estados na Câmara dos Deputados, marcada para hoje, às 16 horas, ganha ainda mais relevância. Em termos de indicadores, o IGP-M subiu 0,55% no segundo decênio do mês, com os preços ao produtor sendo influenciados pela alta de alimentos in natura e do minério de ferro.

Bolsas mais pressionadas nessa terça. Na Ásia, o pregão foi de Bolsas próximas da estabilidade, com o efeito das sinalizações positivas de Trump no tocante às negociações comerciais entre os EUA e a China sendo mitigada pela reclamação de autoridades chinesas de que os EUA estão tentando dificultar o desenvolvimento de tecnologia chinesa. Apesar de não ter ligação direta com as negociações comerciais, o assunto sempre esteve no radar dos investidores, especialmente após a prisão de uma executiva da chinesa Huawei, e pode dificultar um acordo. Na Europa, os índices abriram no vermelho, com a sondagem do instituto ZEW mostrando que o sentimento dos agentes quanto a economia segue bem negativo, tanto olhando para a Alemanha quanto para todo o bloco. Nos EUA, apenas com dados do setor de construção na agenda, o mercado fica de olho em resultados corporativos, com destaques para os números do Walmart hoje de manhã e nas notícias envolvendo as relações do país com a China.
   

 

Portobello (PTBL3) vem tentando melhorar seu desempenho. A companhia apresentou crescimento em seu faturamento neste 4T18, motivado pelo mercado externo, que apresentou elevação 10%, favorecido pelo câmbio, mesmo tendo sofrido como os efeitos da crise na Argentina. As vendas no mercado interno cresceram refletindo as maiores vendas do varejo de materiais de construção. O resultado também foi impactado pelo reconhecimento de ganhos extraordinários. Sem esses efeitos, a margem EBITDA foi de 10%, valor inferior ao reportado no 4T17 (16,4%). Um ponto bem importante foi a redução de sua alavancagem, de 2,09x o EBITDA para 1,64x no ano de 2018, tendo também sua dívida alongada com novas operações com debêntures. Para esse ano, a companhia está confiante com a expectativa de melhora econômica, além disso mantém seu foco na execução de seu plano internacional, no posicionamento da marca e em um maior portfólio de produtos.

Randon (RAPT4) começa 2019 com faturamento em alta. Em janeiro, a receita líquida consolidada da companhia atingiu R$ 347,4 milhões, o que representa uma alta de 26% contra o mesmo mês do ano passado. Os papéis RAPT4 devem responder de forma positiva à novidade. Ademais, cabe ressaltar que a Randon irá divulgar seu desempenho do 4T18 em 20 de março, após o fechamento do pregão, e a expectativa é de um balanço robusto, com o faturamento líquido ficando acima do guidance de R$ 3,6 bilhões.

Itaúsa (ITSA4) anuncia proventos polpudos. Entre JCP e dividendos, a companhia vai pagar o valor (já líquido de IR) de R$ 0,717 por ação para os acionistas posicionados ao final do dia 21/02, quinta-feira, com os papéis ficando ex já nessa sexta. O yield da operação é de 5,5%, considerando o fechamento dos papéis no pregão de ontem. O pagamento será no comecinho de março, no dia 7.

 

Bons negócios!!

 


« Voltar