Menu

Notícias

25/02/2019

Diário Matinal Coinvalores - 25 de fevereiro de 2019

Bom dia,

 

Inflação segue benigna. O arrefecimento dos preços em educação e transportes, após tradicional alta no início de ano, levou o IPC-S, da FGV, e o IPC-Fipe a registrarem ligeira desaceleração na terceira quadrissemana do mês. A projeção para inflação desse ano também segue benigna, como mostra o Boletim Focus dessa semana. A estimativa mediana para o IPCA agora aponta para uma alta de 3,85%, ligeiramente abaixo da mediana da semana passada. Outra mudança relevante nesta semana foi a melhora nas projeções para o PIB de 2020, que segue avançando, agora para 2,65%. Já o índice de confiança da construção apresentou leve recuo no mês, com o ritmo lento da retomada voltando a trazer alguma preocupação. No Valor de hoje, entrevista de Rodrigo Maia citando os riscos para a tramitação da previdência e prevendo um atraso de um mês em relação a sua projeção anterior, pode reduzir o efeito positivo do noticiário externo, que comentamos a seguir.

 

Trump impulsiona Bolsas lá fora. O presidente voltou a influenciar os mercados com seus tweets, dessa vez citando “progresso substancial” nas conversas comerciais entre os EUA e a China, anunciando que vai prorrogar a trégua que terminava no final dessa semana e planejando um encontro com o primeiro-ministro chinês no seu resort na Florida. As Bolsas chinesas saltaram mais de 5% em Shanghai e Shenzhen. Nos EUA, os futuros de NY também apontam para uma alta considerável na abertura, de olho também no Fed, com o chair Jerome Powell, com discursos programados nessa semana. Já na Europa, o Brexit segue no radar, com a primeira-ministra britânica adiando a votação para aprovação de um acordo com a UE, que ocorreria nessa semana, para apenas dezessete dias antes do prazo de saída do Reino Unido, pressionando a Bolsa local.

  

Sólido resultado do BTG (BPAC11). O banco viu a receita de sua área de investment banking se recuperar na comparação com o 3T18, puxada por operações de M&A. As áreas de gestão de recursos seguiram avançando nesse trimestre, com receitas turbinadas pelas taxas de performance, que ajudaram no crescimento de 69% em três meses no faturamento da área de asset management. As mesas do banco se recuperaram dos resultados mais pressionados dos últimos trimestres. A carteira de crédito do BTG continuou crescendo, mas as receitas da área foram bastante impactadas por um nível mais elevado de despesas de PDD nesse trimestre, o que prejudicou bastante o resultado do segmento, sendo o destaque negativo do trimestre. No geral, consideramos o resultado bom, com avanço de quase 4% no lucro líquido em três meses.

Dividendos da Energisa (ENGI11). A companhia irá distribuir R$ 0,65 por unit, o que equivale a um yield de 1,6% sobre o fechamento da última sexta-feira. Os papéis ficam ex na próxima quinta-feira (28/02) e o pagamento será realizado em março, a partir do dia 11.

BB (BBAS3) anuncia JCP e payout para 2019. O banco vai pagar R$ 435 milhões aos acionistas em juros sobre o capital próprio, o que, já descontando o IR, equivale ao valor de R$ 0,1327 por ação. O yield é pequeno, de 0,25% em relação ao fechamento de sexta. Papéis ficam ex no 12 de março e o pagamento será no dia 29 do mesmo mês. O BB ainda manteve o guidance de payout para 2019 entre 30% e 40% do lucro líquido. Em 2018, a projeção do banco era igual e o payout foi próximo ao centro do guidance.

Acionista da Alpargatas (ALPA4) terá bonificação. A companhia fará aumento de capital mediante bonificação de ações. Para 100 ações detidas ao final do pregão de 20 de março, o investidor terá direito a 25 novas ações.

SLC (SLCE3) tem rating elevado. A S&P elevou o rating de longo prazo da SLC para ‘brAA-’ na escala nacional Brasil, com perspectiva estável.
 

  

Bons negócios.

 

 

 


« Voltar