Menu

Notícias

08/03/2019

Diário Matinal Coinvalores - 08 de março de 2019

Bom dia,

 Espera pela Previdência continua segurando o mercado brasileiro. Sem grandes indicadores para sair  hoje, o mercado continuará acompanhando as notícias vindas do mercado externo e a trajetória digital de Bolsonaro. Ontem no final do dia o presidente voltou às redes sociais, sendo que desta vez falou sobre a reforma da Previdência. O presidente anunciou que os avanços do Brasil dependem majoritariamente da aprovação da proposta. Na agenda de indicadores, saiu o IPC-S da 1ª quadrissemana de março, apresentando alta de 0,45%, sendo puxado principalmente pelo aumento no grupo alimentação. E o IGP-DI ficou acima das projeções de mercado, subindo 1,25% em fevereiro, vindo bem acima do reportando no mês anterior. 

 Bolsas mundiais estressadas. O dia de hoje tende a ser bem conturbado, depois das bolsas asiáticas fecharem em forte queda, pela surpresa com a expressiva redução das exportações e importações da China neste primeiro bimestre. Além disso, o anúncio de uma desaceleração da economia mundial e o ainda não encontro entre os presidentes Donald Trump e Xi Jinping para resolver a disputa comercial, provocaram fortes perdas nos índices. Na Europa a tendência não é diferente, com o BCE reduzindo sua projeção de 1,7% para 1,1% para o PIB de 2019. Esse cenário provocou a manutenção de medidas de estímulos à economia, e o presidente do banco, Mario Draghi, reforçou as expectativas de que a taxa de juros deve permanecer nos níveis atuais até pelo menos o final do ano. Nos EUA, o mercado espera pelo relatório de empregos em fevereiro, onde é esperada a continuidade do crescimento, com previsão de 188 mil novas vagas no mês, com redução da taxa de desemprego para 3,9%.
 

Fraco desempenho da Ferbasa (FESA4). Frente a um cenário mais desafiador, com redução da demanda, paradas programadas para manutenção e retração nos preços internacionais, a companhia apresentou números fracos, com o EBITDA ajustado por não recorrentes do 4T18 caindo pela metade em um ano e a margem saindo de 30,2% para apenas 1% em um ano.  A elevação nas tarifas de energia elétrica e a menor diluição dos custos fixos também contribuíram com tal resultado. Ademais, a companhia saiu de uma posição de caixa líquida de 473,7 milhões em 2017 para uma dívida líquida de R$ 208,2 milhões (ou 0,5x dívida líquida/ EBITDA) esse ano. Suas ações devem responder de forma negativa à divulgação.

Telefônica Brasil (VIVT4) propõe pagamento de dividendos. A companhia irá avaliar na assembleia marcada para 11 de abril uma distribuição adicional de dividendos, no valor total de R$  1,5081 por ação preferencial. O yield é de quase 3,3% sobre o fechamento de ontem. As condições de pagamento serão definidas na assembleia, sendo que os papéis devem amanhecer ex já no dia seguinte (12/04).
 

 

Bons negócios!

 

 

 


« Voltar